Metadados

Recrutamento e seleção: uma estratégia competitiva

Alguns dos processos mais importantes na área de Recursos Humanos são os de Recrutamento e Seleção

São a partir deles que uma empresa ou organização pode garantir sucesso em seus negócios ou vê-los sem ritmo e resultados. São processos que podem parecer simples, automáticos, à medida que um candidato a uma vaga preenche requisitos básicos. É claro que tudo vai depender do perfil da empresa, suas demandas e segmento.

No entanto, nos últimos anos a procura por pessoas eficazes e dinâmicas, capazes de aumentar a perspectiva de vida das empresas, tem aumentado muito. Afinal, apesar do avanço da tecnologia, os objetivos organizacionais estão diretamente ligados ao potencial humano.

Crescente competitividade, virtualização da economia e restrições de recursos financeiros são algumas das características do atual contexto organizacional. Elas estão exigindo dos profissionais de RH uma nova configuração do sistema de gestão de pessoas, ou seja, muito além das atribuições operacionais tornou-se necessário o investimento em ações que desenvolvam e contribuam para as estratégias da empresa ou corporação.

Esse alinhamento é extremamente importante, pois o planejamento estratégico é uma poderosa ferramenta para a construção e a consolidação da imagem de uma empresa. E isso passa por manter o número correto de profissionais no lugar certo!

As mudanças que vêm ocorrendo no mercado, com novas oportunidades, desafios e tendências, têm provocado uma queda considerável no chamado “emprego formal”, de “carteira assinada”. Esse comportamento, potencializado pela crise econômica que persiste já há alguns anos, levou muitas pessoas, depois de demitidas, a trabalhar por conta própria, e isso afetou diretamente as relações de trabalho e contratação.

De um lado estão empresas focando exclusivamente em seu negócio e terceirizando funções. De outro, uma nova geração de profissionais busca jornadas de trabalho mais flexíveis, benefícios não necessariamente monetários, enfim, um propósito maior.

É profissional de RH e quer entender mais sobre a mudança nos processos de Recrutamento e Seleção? Continue acompanhando o artigo produzido pela Metadados — empresa que desenvolve sistema para a gestão de pessoas.

Recrutamento e Seleção: evitando problemas

Mas muita gente não pode “se dar luxo” de optar pelo trabalho ou carreira ideias, ainda mais em tempos de instabilidade econômica e desemprego. Atualmente, a maioria das empresas que anuncia um processo de Recrutamento e Seleção de pessoal busca tirar o máximo proveito dessa situação, procurando identificar os profissionais mais bem qualificados para ocupar as vagas disponíveis.

Esses processos merecem muita atenção e cuidado do gestor. Saber escolher a pessoa certa para trabalhar e ocupar um cargo na empresa acaba sendo uma tarefa um tanto complicada se não for bem-feita.

Um processo de Recrutamento e Seleção mal conduzido pode provocar danos muito sérios às empresas. Problemas de relacionamento, falta de produtividade, absenteísmo e desmotivação começam a se manifestar e a provocar impactos bem claros, como custo e tempo perdido.

Diferença nos processos

Mas, afinal, qual a diferença entre esses dois processos? Em termos gerais, recrutar profissionais é buscar no mercado candidatos com qualificação ou com potencial para ocupar uma vaga em aberto, para a realização de um processo seletivo. Já selecionar é a análise dos candidatos e a escolha dos que apresentam as melhores condições, dentro do perfil e das competências definidas, para ocupar a vaga.

Um bom gestor preocupa-se até com o tempo para contratação de um novo integrante de sua equipe. Portanto, é fundamental conhecer o prazo, os custos e as etapas de um processo seletivo, levando em consideração que ele pode ser alterado de acordo com a demanda (emergencial ou específica).

Para isso será preciso uma análise dos cargos, as necessidades da empresa, a quantidade de etapas que vai utilizar, a complexidade dessas etapas, a aplicação de instrumentos (entrevistas não estruturadas e estruturadas, busca de referências, provas de conhecimentos ou de capacitação, testes de personalidade, testes de habilidade cognitivos, testes de desempenho e integridade e aplicação de técnicas de simulação) etc.

  • Para recrutar bem, o profissional responsável por essa tarefa deve conhecer minuciosamente a empresa e o cargo disponível, a fim de selecionar o melhor perfil para a vaga e para complementar a equipe.
  • A tarefa de recrutar é uma das mais fáceis do processo seletivo. Afinal, sempre há alguém querendo trabalhar. O desafio está em realizar uma divulgação efetiva que propicie a escolha do melhor profissional.
  • Depois de efetuado o recrutamento, o próximo passo é selecionar o profissional em destaque, ou seja, aquele que está mais intimamente ligado com as necessidades do cargo.

No lugar certo

A formação de uma equipe começa pela escolha das pessoas certas para os lugares certos. Isso significa estar com pessoas que percebem que existe um objetivo comum naquele setor, naquela empresa ou organização. É muito importante avaliar as competências complementares de cada candidato.

Não é aconselhável formar uma equipe com pessoas que fazem a mesma coisa. Exemplo: uma equipe de cirurgia não é uma equipe de cirurgião: há o auxiliar, o anestesista, a enfermeira, ou seja, esta é uma equipe com objetivo comum, com cada um fazendo a sua parte, tendo respeito pelas competências do outro.

Essas competências, às vezes, não aparecem de forma tão clara numa entrevista de emprego, por exemplo. Por isso é preciso considerar um termo e um método muito importante, o da Inteligência Emocional.

O recrutador precisa ter respeito aos mesmos valores, à cultura, à maneira que se comporta certo candidato. Muitas vezes, um futuro funcionário não demonstra aptidão ou desempenho para certa atividade, mas o entrevistador percebe outros potenciais (ou capacidade de desenvolvê-los), predisposição e vontade de aprender.

 Saiba mais!

 Enquanto o objetivo do Recrutamento é atrair pessoas que possuam especificações básicas descritas para o preenchimento dos cargos das empresas, a Seleção faz a triagem dos melhores candidatos atraídos pelo recrutamento, funcionando como uma espécie de filtro, onde apenas aqueles que tiverem o perfil adequado para o cargo disponível poderão ingressar na organização.

Ambos processos são importantes ferramenta de gestão de pessoas, com a finalidade de identificar os candidatos que possuem o perfil desejado pela análise e descrição de cargo. São atividades que têm por finalidade escolher, sob metodologia específica, candidatos a emprego para o atendimento das necessidades internas da empresa.

  • A seleção baseia-se fundamentalmente na análise comparativa das exigências do cargo com as características do candidato. São analisados quais conhecimentos, habilidades e atitudes que o profissional necessita ter para desempenhar aquela função em específico.
  • Há inúmeras práticas de recrutamento e seleção que podem ser adotadas pelas empresas. É recomendável que se faça uma análise antes para ver o que realmente combina entre vaga e perfil do candidato.
  • Uma análise isolada de uma prática pode não fazer muito sentido, pois ela reflete a cultura e os caminhos que a empresa deseja seguir. Por isso, compreender a empresa e o negócio é essencial.
  • Atualmente se fala muito em diversidade, no amplo sentido. É um tema que pode ser levado em consideração neste processo. Muito se fala em alinhamento de valores e propósitos como sendo peça-chave para os processos seletivos.
  • As ferramentas para análise de perfil são várias, cabe também definir o que se espera do profissional para depois verificar como vai ser feita a seleção.
  • Processos de recrutamento e seleção podem estar ligados ao plano de carreira. Quando isso ocorre, um processo de recrutamento interno, externo ou misto pode fazer a diferença.
  • É preciso deixar as regras muito claras para as pessoas que participam das etapas. Isso é fundamental, pois garante a fidelidade e credibilidade ao processo.