Imagem de um homem sentado em frente ao se computador, com uma mulher atrás dele, com uma mão em seu ombro e outra segurando pastas. Ambos olham para a tela e estão sorrindo

O Plano de Desenvolvimento Individual, mais conhecido como PDI, é uma forma eficaz e estratégica de auxiliar no desenvolvimento dos colaboradores que buscam atingir objetivos a curto, médio e longo prazos.

Ele é essencial para formar uma equipe de sucesso e, por consequência, ajudar a empresa na conquista por seu espaço no mercado. Afinal, o PDI é um instrumento potente para elevar a qualidade das entregas, porque consegue identificar os pontos fortes dos talentos e desenvolver uma espécie de “roteiro” para melhorar suas habilidades, tanto profissionais quanto pessoais.

Isso ocorre porque o crescimento pessoal e o avanço na carreira estão fortemente correlacionados. Pensando assim, o PDI pode servir como um facilitador importante para diferentes níveis de evolução na empresa: estudantes, novos profissionais e até executivos experientes.

É importante considerar que o PDI não é uma ferramenta de avaliação de desempenho ou uma atividade única. Pelo contrário, deve ser encarado como uma parceria entre o colaborador e seu líder, repleta de preparação, diálogo, ações diversas e feedback contínuo.

Atualmente, muitas empresas exigem o Plano de Desenvolvimento Individual para todos os membros do time. Elas acreditam que a estratégia pode, de fato, garantir que os colaboradores evoluam e não apenas executem as tarefas enquanto estacionam suas habilidades.

Mesmo com o crescente interesse das organizações, ainda surgem diversos questionamentos sobre o assunto. Por isso, os especialistas da Metadados — empresa que desenvolve sistemas para simplificar a Gestão de Pessoas — estão aqui para ajudar e responder todas as suas dúvidas!

  1. O que é Plano de Desenvolvimento Individual? 
  2. Quais são as vantagens do PDI?
  3. Como fazer PDI? 
  4. PDI nas empresas
  5. Como auxiliar no desenvolvimento de um PDI?
  6. Como aprimorar constantemente o PDI?
  7. Por que contar com uma ferramenta para PDI?
  8. Considerações sobre PDI

Ilustração de uma pessoa voando com tênis a jato por cima de gráficos de colunas

 

Mas afinal, o que é o PDI?

O Plano de Desenvolvimento Individual é uma estratégia que tem como objetivo acompanhar e estimular o desenvolvimento dos colaboradores. Por meio de ações direcionadas, é possível traçar uma rota para que cada talento da empresa evolua gradativamente e domine com propriedade suas atividades no local de trabalho, também aprimorando os aspectos pessoais.

A cada dia, o PDI se torna ainda mais importante, justamente porque o ambiente corporativo indica um cenário muito acirrado na atualidade. É preciso estar sempre em sintonia com o agora!

Um cargo exercido por profissionais que não estão à altura da concorrência, por exemplo, pode ser perigoso à saúde da empresa como um todo. Diante disso, líderes e profissionais de RH adotam a estratégia para garantir que seus colaboradores vão se manter em desenvolvimento contínuo.

Desse modo, as chances de executar suas demandas com excelência serão maiores, refletindo na popularidade, respeito e confiabilidade dos serviços prestados pela empresa. Inclusive, por esse motivo, o PDI não é um instrumento indicado apenas para novos colaboradores.

Na verdade, funcionários que ocupam cargos sênior também podem (e devem) se beneficiar do plano! Na prática, o PDI é um pilar fundamental para a carreira de todos os trabalhadores da empresa e é levado muito a sério, especialmente por aqueles que querem, de fato, crescer em suas atividades.

Outro ponto é que as organizações propõem diversos desafios naturalmente, mas nem sempre conseguem mensurar quem está disposto a se desenvolver e dominar as novas exigências. Com o PDI, esse cenário é simplificado!

Quais as vantagens do PDI?

Quando uma empresa decide adotar o Plano de Desenvolvimento Individual, pode contar com um verdadeiro “salto” na Gestão de Pessoas. Afinal, são diversos benefícios que impactam diretamente no dia a dia da organização.

O primeiro, como você já deve ter percebido, é manter os colaboradores sempre em sintonia com as novidades. Isso porque o PDI também é uma forma de renovar o conhecimento à medida que os processos são atualizados, auxiliando no desenvolvimento das habilidades mais recentes, exigidas por cada área de atuação.

Algumas vantagens podem ser implícitas, como, por exemplo, a sensação de pertencimento e o crescente engajamento dos colaboradores! Empresas com PDI tendem a ser mais desafiadoras e, nesse caso, instigar os profissionais a saírem da sua zona de conforto pode ser uma ótima forma de mantê-los na equipe.

Podemos dizer que os benefícios se bifurcam em dois caminhos notáveis:

  • Mais qualidade na entrega das demandas, na prestação de serviço, na organização e na gestão de tarefas, o que reflete na satisfação dos clientes e, certamente, na lucratividade da empresa;
  • Mais afinidade entre os colaboradores, seus líderes e a empresa como um todo, o que torna o ambiente de trabalho instigante e amigável, estimulando o senso de auto aperfeiçoamento, tanto pessoal quanto profissional.

Ilustração de pessoas sentadas trabalhando em blocos de montar

Outros tópicos podem ser inclusos na “conta das vantagens”, mostrando que o PDI é uma estratégia muito eficiente em diferentes aspectos. Confira:

1. Pessoas felizes e engajadas  

Quando a empresa se preocupa em criar oportunidades e impulsionar o crescimento profissional, os colaboradores sentem que existe uma motivação a mais para melhorar seu desempenho. Afinal, eles têm suas próprias necessidades de desenvolvimento e esperam que a organização seja um apoio nessa trajetória.

O PDI pode, inclusive, aumentar o nível de confiança dos talentos, não apenas na execução de tarefas, mas também em relação a si mesmos. Na prática, isso pode fazer uma diferença enorme no seu negócio, porque eles se sentem mais seguros para enfrentar os desafios e encontrar soluções inovadoras.

Além disso, caso estejam em funções voltadas ao cliente, certamente vão sentir o reflexo em sua forma de comunicar, mostrando propriedade nos atendimentos e reforçando a credibilidade da empresa. O que, é claro, aumenta as chances de recomendação para novos prospects.

2. Menor rotatividade na equipe

Encontrar novos talentos é uma tarefa demorada e que exige muitos recursos da empresa. Por isso, a melhor alternativa é sempre buscar formas de manter os colaboradores que já estão integrados ao time e adaptados aos objetivos da organização.

Neste desafio, o PDI é um grande aliado! Conforme os profissionais ganham experiência e conhecimento em suas tarefas, se sentem mais confortáveis para atuar no dia a dia, o que garante alta performance, rotina tranquila e constante evolução.

Da mesma forma, ao traçar um bom plano de desenvolvimento, o talento pode entender quais passos são necessários para conquistar mais reconhecimento e alcançar sucesso profissional dentro da empresa. Nesse momento, seus objetivos particulares serão um fator determinante para orientar o caminho que deve ser percorrido!

3. Recrutamento mais simples 

Mesmo após a implementação de um PDI cuidadosamente elaborado, é possível que alguns colaboradores escolham seguir outros rumos. Nesse caso, será preciso encontrar um novo profissional para atuar na equipe e o Plano de Desenvolvimento Individual pode ajudar!

Se você registrou os dados de forma consistente, será mais fácil identificar as hard e soft skills necessárias para o cargo, bem como entender em que “parte do caminho evolutivo” seus candidatos estão. Realizando um comparativo entre o PDI do antigo colaborador e dos currículos que chegam, você pode inclusive ter uma prévia do que cada um vai precisar desenvolver para atingir o mesmo nível de entregas.

Assim, é mais seguro saber em quem apostar na hora da seleção!

4. Times de alta performance

As vantagens de “fidelizar” seus colaboradores vão muito além da simples economia em Recrutamento e Seleção. Afinal, com uma equipe experiente, os resultados da empresa melhoram e se tornam cada vez mais consistentes, em um avanço proporcional ao desenvolvimento das pessoas.

Além disso, os processos se tornam mais ágeis e as falhas diminuem! O time também ganha autonomia e mais responsabilidade para agir, entendendo onde focar seus esforços, de forma coletiva e também individual.

A consequência? Um grupo de pessoas engajadas, satisfeitas com seu desempenho no trabalho e entusiasmadas com os resultados da empresa, porque sabem que eles vão voltar em forma de reconhecimento.

Inclusive, o PDI é essencial para identificar colaboradores de alta performance e garantir que eles sejam recompensados por sua atuação. Ele também aponta os talentos que devem receber investimentos especiais para se desenvolver, com o objetivo de atribuir funções mais estratégicas ou até mesmo torná-los líderes de suas equipes.

Outra possibilidade é reconhecer pessoas desengajadas ou em funções que não correspondem com suas principais habilidades. 

Ilustração de 3 pessoas em cima de um pódio

Como fazer PDI?

Agora que você pôde vislumbrar um panorama geral sobre o Plano de Desenvolvimento Individual, é importante entender como ele se aplica na prática e até mesmo como elaborar seu próprio PDI. Acompanhe as etapas:

Etapa 1: converse com seus colaboradores

Um pequeno (e indispensável) passo para a implementação do PDI é conversar com as pessoas da empresa sobre suas metas de carreira, objetivos profissionais e até mesmo pessoais. São esses fatores que vão definir onde cada um quer chegar e o que é preciso para isso!

Você pode escolher um momento estratégico para iniciar esse diálogo, como nos feedbacks individuais, por exemplo. Depois, é indicado estabelecer um período recorrente para acompanhar a evolução e entender se algo mudou no caminho!

O componente-chave para ter sucesso nesta etapa é manter a frequência e se mostrar, de fato, interessado nos planos dos colaboradores. Para tornar a conversa ainda mais efetiva, reforce que a organização é o lugar perfeito para o talento alcançar tudo o que deseja!

Etapa 2: mapeie conhecimentos e habilidades

Dentre as diversas funções dos líderes e profissionais de Recursos Humanos, está a gestão de talentos. Nesse tópico estratégico, é essencial estar atento às competências de cada membro do time e entender como elas se complementam no dia a dia.

O método de mapeamento e documentação destas habilidades pode variar de acordo com a empresa, mas é importante encontrar uma forma de organizar as informações e aproveitá-las ao máximo no PDI. Por exemplo, identificando as facilidades do seu colaborador e oferecendo oportunidades para que ele as potencialize ainda mais.

Ou então, entendendo o que ele ainda quer desenvolver e quais conhecimentos precisa adquirir para melhorar sua atuação no trabalho!

Etapa 3: ajude a identificar lacunas 

Uma ótima dica é realizar o Levantamento de Necessidades de Treinamento na sua organização e entender quais habilidades podem ser desenvolvidas na equipe. Além disso, você pode utilizar os PDIs para elencar prioridades nas capacitações, tanto de assuntos quanto de participantes.

Esta análise vai permitir que você também atenda os objetivos organizacionais! Mas não esqueça de sempre consultar os talentos da empresa e levar em consideração o que eles gostariam de aprender ou o que acham importante para evoluir em suas demandas.

Etapa 4: identifique quem quer crescer na empresa

Conforme citamos antes, o PDI é uma excelente forma de identificar talentos que desejam dar um passo a mais, como assumir novas responsabilidades ou até mesmo uma posição de liderança. Então, nesta etapa, o foco é encontrar pessoas interessadas em construir uma carreira de longo prazo na organização.

Quando sentir que tem os profissionais certos no “radar”, o mais indicado é investir em programas e cursos para desenvolvimento de líderes, o que vai aumentar o potencial dos escolhidos na área das relações. Com o tempo e a preparação certa, você pode contar com aliados fiéis e prontos para assumir o papel de gestão na equipe.

O bônus é que, quando os colaboradores percebem que você está investido em seu desenvolvimento pessoal, eles se tornam ainda mais comprometidos em suas demandas e têm um motivo especial para ajudar sua empresa a ter sucesso.

Ilustração de um maestro comandando uma orquestra de pessoas trabalhando em seus notebooks

Etapa 5: alinhe as metas individuais com as da empresa

Para que o PDI realmente funcione e seja positivo na equipe, é preciso encontrar equilíbrio entre dois fatores bem importantes: os objetivos profissionais de cada um e as metas gerais da organização.

Por isso, é essencial estar atento à conversa de carreira e perceber se existem oportunidades de conectar o que seu colaborador deseja com os resultados que você quer conquistar! Alinhar as duas medidas pode ser um grande desafio, mas é o que vai garantir mais engajamento e comprometimento da equipe com os objetivos da empresa.

Afinal, as pessoas querem entender como o seu propósito pode se “encaixar” e contribuir para o todo!

Etapa 6: organize ações específicas

Não adianta planejar sem a intenção de agir, concorda? Chegamos, então, em um ponto crucial para definir o sucesso do PDI na empresa.

É o momento em que, de fato, vamos propor práticas realistas para auxiliar o desenvolvimento dos profissionais! Isso inclui o máximo de especificações possíveis, como: oportunidades de crescimento que a empresa vai criar; cursos e capacitações que o colaborador poderá fazer; plataformas ou fóruns de discussão sobre o desenvolvimento; especialistas envolvidos; entre outros.

Se você apostar no detalhamento das ações, será muito mais fácil colocar a mão na massa! Lembramos que essa etapa também pode (e deve) ser construída em parceria com o seu talento, pois ele precisa ter interesse nas práticas para conseguir aproveitar e absorver o máximo de cada uma.

Etapa 7: considere as perspectivas de crescimento futuro

Um PDI não deve focar apenas nas oportunidades atuais de desenvolvimento, mas também incluir projeções de passos mais distantes. Por isso, nossa dica é também realizar os planejamentos de médio e longo prazos, por mais que eles possam mudar com o tempo.

Além disso, é importante lembrar que as conversas de carreira devem ser realizadas com certa frequência. Assim, você pode questionar se algo mudou e recalcular a rota conforme os objetivos do talento.

Lembre-se: pensar no futuro é mostrar que você conta com o colaborador lá na frente!

Etapa 8: avalie o progresso com dados relevantes

Tão importante quanto realizar o Plano de Desenvolvimento Individual é reservar um tempo para acompanhar e avaliar seu progresso! Você pode fazer um levantamento com o número de colaboradores que já possuem PDI na empresa e quantos ainda precisam dessa orientação; entender quantos já atingiram seus principais objetivos; observar o número de cargos preenchidos usando o conhecimento do plano, entre outros.  

Também é possível avaliar seu retorno sobre o investimento destinado para potencializar as habilidades da equipe – ou seja, o ROI em relação ao aperfeiçoamento do time.

Ilustração de duas pessoas conversando, uma em uma tela grande de computador e outra através de celular.

PDI nas empresas

Ao adotar o Plano de Desenvolvimento Individual na empresa, é importante definir um padrão para tornar o gerenciamento mais fácil, organizado e ágil. No entanto, é essencial lembrar que pessoas diferentes têm objetivos diferentes, o que vai refletir diretamente na formulação do documento.

Algumas empresas desenvolvem seu próprio PDI, outras contam com a inteligência da tecnologia para otimizar o processo. Embora não exista um “formulário correto” para registrar o plano do colaborador, podemos apontar os elementos-chave:

  • Perfil do colaborador: nome, cargo, principais atividades, tempo na empresa, grau/faixa salarial;
  • Objetivos de carreira: metas profissionais de curto, médio e longo prazo (de preferência, com datas estimadas);
  • Objetivos de desenvolvimento: metas profissionais e pessoais de crescimento que impactam em suas demandas (como hard e soft skills);
  • Oportunidades de treinamento: atividades que o colaborador gostaria de realizar para evoluir na empresa (de preferência, com datas estimadas). Pode incluir: treinamentos formais em sala de aula, cursos online, tarefas rotativas ou de acompanhamento, programas de estudos, conferências ou seminários, entre outros.

Como auxiliar no desenvolvimento de um PDI?

Depois de ouvir o que os colaboradores esperam do seu futuro, é preciso saber como sua empresa pode ajudar e quais ferramentas deve oferecer para que eles se mantenham em constante aperfeiçoamento.

Elaborar o PDI é apenas um ponto de partida e, para realmente ter sucesso com a ferramenta, é essencial atuar de forma estratégica e funcional. Caso contrário, será apenas uma etapa que vai tomar tempo de todos os envolvidos, mas sem trazer resultados concretos e gerenciáveis.

Podemos definir cinco principais fases no processo do PDI, desde elaboração até conclusão, sendo elas:

  • Pré-planejamento:  nessa etapa, o líder ou profissional de RH (orientador) marca uma reunião com o colaborador e informa que a ideia é conversar sobre suas ambições de carreira. Assim, o profissional já vai estar preparado e iniciar o penso sobre seus objetivos/metas/planos;
  • Conversa entre colaborador e orientador:  essa é a hora de falar sobre os pontos fortes do profissional atualmente, o que pode ser potencializado, as áreas de melhoria, interesses, objetivos de carreira e sonhos pessoais;
  • Preparação do PDI: juntos, vocês vão de fato preencher o Plano de Desenvolvimento Individual da empresa, traçar ações e indicar os resultados esperados (com base nos objetivos de curto, médio e longo prazos);
  • Implementação do plano: essa é a fase de colocar a mão na massa, buscar treinamentos e capacitações que possam oferecer o desenvolvimento necessário para ter sucesso no PDI. Caso a empresa disponibilize algum recurso importante para isso, deve manter à disposição dos colaboradores;
  • Avaliação dos resultados: nesse momento, o orientador deve acompanhar a evolução do profissional e realizar um "balanço” de forma recorrente, a fim de entender os maiores desafios e se colocar à disposição para ajudar.

Importante lembrar que o líder ou profissional de RH é uma peça essencial para auxiliar a elaboração e o acompanhamento do PDI. Porém, é o colaborador quem deve protagonizar seu desenvolvimento e tomar iniciativa para alavancar sua carreira profissional!

Aproveitamos para ressaltar que a implementação do PDI é considerada uma boa prática de gestão, justamente por trazer muitas vantagens.

Como aprimorar constantemente o PDI?

Com o passar do tempo, é natural que os objetivos dos colaboradores e até mesmo da empresa se transformem. O time pode ser reestruturado, a organização interna pode sofrer mudanças e outros fatores podem impactar o PDI.

Na verdade, por mais que os cenários funcional e administrativo continuem os mesmos, é essencial rever se o que foi definido lá atrás ainda faz sentido. A intenção é garantir que os objetivos e perspectivas estejam sempre alinhados à realidade.

Por isso, o Plano de Desenvolvimento Individual não é uma ferramenta que pode ser elaborada apenas uma vez na carreira. Nossa dica é estabelecer uma frequência de, no mínimo, duas vezes ao ano para conversar com o colaborador e entender se algo precisa ser revisto ou reestruturado.

Aproveite para validar os objetivos que já foram alcançados, identificar novas metas, apontar o que se perdeu no caminho e oferecer apoio no que mais exigir esforço! Revisitar o PDI regularmente também é uma forma de garantir que a empresa estará sempre em evolução, sem estacionar seus talentos ou serviços.

Ilsutração de duas pessoas mexendo em uma tela gigante com gráficos e tabelas

Por que contar com uma ferramenta para PDI?

A automatização do Plano de Desenvolvimento Individual trouxe ao ambiente corporativo e às equipes de RH inúmeras oportunidades. Uma delas é garantir acesso a treinamentos e conhecimentos realmente necessários, de acordo com o momento atual da empresa e de seus colaboradores.

Além disso, contar com uma ferramenta específica vai ajudar a organização a ser mais assertiva em suas abordagens, trabalhar com modelos de PDI eficientes e personalizáveis, contar com os indicadores certos para medir o sucesso das ações e acompanhar o crescimento dos indivíduos, entre outros.

Não podemos esquecer, é claro, da otimização de tempo! Afinal, ao automatizar as tarefas, você ganha mais agilidade na rotina, segurança para armazenar os documentos e organização para facilitar suas buscas.

Por último, mas não menos importante, contar com a tecnologia no PDI é a chave para gerenciar diversos planos de forma estratégica, garantindo a eficiência e monitoramento das metas, independentemente do número de colaboradores.

Considerações sobre PDI

Como você deve ter notado, o Plano de Desenvolvimento Individual é um instrumento capaz de estimular o crescimento contínuo dos colaboradores, além de aumentar a performance e as habilidades da equipe. No entanto, para ter bons resultados, é necessário considerar o objetivo de cada profissional e encontrar conexões com as metas da empresa.

Além disso, é indispensável oferecer apoio e recursos para promover a atualização do time em suas demandas, o que vai resultar em pessoas felizes e engajadas. Afinal, ninguém gosta de se sentir estagnado e o próprio mercado exige novas habilidades a todo momento!

 Com um PDI bem estruturado, as estratégias são mais assertivas e dialogam com os sonhos e propósitos dos colaboradores, impactando diretamente nos resultados da empresa. Apesar das vantagens, não podemos negar que gerenciar diversos planos, especialmente em empresas com grande número de profissionais, é realmente desafiador e exige tempo.

Por isso, contar com ferramentas que permitam automatizar o Plano de Desenvolvimento Individual é o melhor caminho para organizar tudo de forma eficaz e ágil, sempre alinhada aos objetivos de crescimento dos seus talentos!