Imagem de um homem em frente ao seu computador com expressão frustrada, com diversas folhas de papel amassadas na mesa ao seu redor

Já percebeu que está cada vez mais difícil manter o time da empresa engajado? Isso acontece porque muitos líderes e profissionais de RH ainda não conhecem o potencial de determinadas estratégias da Gestão de Pessoas, como a cultura do feedback!

Essa é uma das maiores aliadas no desenvolvimento dos colaboradores, além de ser o caminho para criar relações de confiança na organização. Por outro lado, quando não há uma cultura do feedback recorrente, as consequências podem ser negativas e impactar diretamente nos resultados, levando problemas para a gestão.

Você sabe quais são eles?
Os profissionais da Metadados — empresa que desenvolve sistemas de Recursos Humanos — prepararam um artigo com os principais desafios enfrentados por empresas que ainda não adotaram a prática. Confira e entenda porque a falta de uma cultura do feedback pode impedir o sucesso da sua equipe e também da organização! 

1.Você tem mais chances de perder talentos 

Vamos iniciar provocando algumas reflexões: seus colaboradores sabem como são importantes para a empresa? Eles têm consciência de como seu trabalho é visto pela gestão? Podem ser honestos e compartilhar suas dificuldades? Recebem ajuda para identificar os pontos fortes e desenvolver seus gaps

Todas essas questões precisam ser conversadas e revistas com frequência, o que só é possível com uma boa cultura do feedback! Afinal, acompanhar os talentos também é uma forma de eliminar as dúvidas sobre sua atuação na rotina e garantir a sensação de real pertencimento, despertando protagonismo nas demandas. 

Por isso, a prática de dar retornos está diretamente ligada com a retenção dos melhores profissionais na empresa! Se eles sabem seu valor e recebem estímulos constantes, além de orientações para crescer na organização, as chances de aceitar novas oportunidades diminuem e o engajamento no dia a dia aumenta. 

2. A liderança se torna superficial e distante 

Um bom líder é aquele que inspira pessoas, realmente sabe como está sua equipe e se mostra disponível para ouvir os pontos que necessitam de melhorias na empresa. Para isso, precisa contar com uma aliada fundamental no sucesso de qualquer organização: a honestidade dos seus talentos. 

Quando não há uma cultura do feedback na empresa, com ausência total dos momentos de troca ou apenas com conversas semestrais, se torna impossível conquistar a confiança do colaborador para entender suas verdadeiras impressões e experiências. 

Afinal, vamos pensar juntos: você se sentiria confortável para sugerir mudanças a alguém que vê apenas duas vezes por ano? E se esse alguém ainda fosse seu “chefe”? 

A consequência desse bloqueio é simples! Se você perde a oportunidade de conhecer perspectivas honestas sobre o clima organizacional e a rotina de trabalho, sempre terá uma visão deturpada da realidade, sem entender qual o sentimento real dos profissionais na empresa. 

Por isso, o melhor caminho é construir elos confiáveis por meio da constância nas conversas! É dessa forma que evitamos problemas bem conhecidos nas organizações, como baixa produtividade e turnover, além de uma liderança limitada. 

Lembre-se que ficar muito tempo sem conversar com o seu colaborador também pode soar como desinteresse! Queremos estar em organizações que se importam com a nossa presença, sentindo que somos necessários para o sucesso dos resultados. 

Então, contar com a visão do líder sobre o nosso trabalho é essencial!

3. Não há desenvolvimento contínuo nas equipes

Para evoluir em nossas atividades, precisamos de orientação! Afinal, é difícil perceber sozinho como está seu desempenho, quais são seus pontos fortes e até mesmo as mudanças necessárias para melhorar sua performance. 

É exatamente por esse motivo que devemos contar com o olhar atento e cuidadoso dos líderes ou profissionais de RH! 

Quando não há uma cultura do feedback bem estabelecida por esses responsáveis, os talentos tendem a ficar estagnados ou evoluir em uma velocidade muito mais lenta do que sua capacidade permitiria, caso fossem estimulados. A dica aqui é, em primeiro lugar, realizar conversas frequentes e utilizar esses momentos de troca para conhecer a multidisciplinaridade das pessoas do seu time, mostrando as possibilidades de desenvolvimento. 

Se você ainda tem dúvidas sobre quais passos seguir para abordar essas questões e otimizar a estratégia na empresa, não se preocupe. Preparamos um checklist gratuito com tudo O QUE VOCÊ NÃO PODE ESQUECER NA HORA DO FEEDBACK!

[CHECKLIST GRATUITO] O QUE VOCÊ NÃO PODE ESQUECER NA HORA DO FEEDBACK

4. Os talentos se sentem inseguros e desamparados

Você sabia que, para alguns profissionais, a ausência de feedbacks pode significar que seu trabalho não está bom? Naturalmente, muitas pessoas buscam a validação de terceiros para confirmar suas ações, então é compreensível que essa necessidade também seja transferida para o ambiente de trabalho!

Nesse caso, se a empresa não possui a cultura do feedback, pode acabar lidando com um número muito mais alto de profissionais frustrados e até mesmo retraídos. Isso acontece porque, com constantes dúvidas sobre seu desempenho, eles evitam ousar e se arriscar na rotina!

Essa é uma grande perda para as organizações, pois podem estar desperdiçando perfis inovadores e criativos apenas por não oferecer a segurança necessária para que eles possam se manifestar. Sabe aqueles talentos que não demonstram muita iniciativa? Talvez, a falta de feedback seja um dos motivos para esse comportamento!

Por outro lado, quando conversamos e mostramos como o trabalho do colaborador é percebido pela gestão, ele entende quais são seus pontos fortes e se sente mais apto para dar sugestões, pensar fora da caixa e se integrar totalmente ao time.

5. Clima organizacional e engajamento são comprometidos 

Quando não há confiança, se torna mais difícil estabelecer relações saudáveis no trabalho. Por isso, essa é mais uma das consequências que a falta da cultura do feedback traz para a sua empresa!

Se a conversa e o diálogo fazem parte da rotina, os problemas internos são resolvidos antes de tomarem proporções maiores, pois todos se sentem confortáveis para apontar o que não está funcionando e se comprometer com a solução. 

Da mesma forma, há mais tranquilidade para alertar o líder sobre determinadas situações e contar com seu companheirismo para agir com cautela, prezando por atitudes construtivas e não punitivas. O mesmo pode ser aplicado para os problemas de engajamento, afinal, será muito mais fácil encontrar alternativas se você estiver a par desde o início.

Mais uma vez, o que entra em jogo é a sinceridade do colaborador e voltamos a reforçar que ela só será conquistada com a sua escuta ativa! 

Se algo não está sendo bem visto por seu talento, você precisa saber; se há um problema interno no time, você deve ser informado; se ele está passando por questões pessoais que influenciam em sua produtividade, é ótimo ficar de olho e auxiliar como for possível; se a sua postura como líder está causando qualquer tipo de desconforto, ele precisa se sentir à vontade para dizer. 

E aí, percebeu quantos problemas sua organização pode enfrentar sem uma cultura do feedback?

Lembre-se que esse momento pode ter diferentes propostas e abordagens! Você não precisa apostar sempre no tom avaliativo... uma boa dica é a conotação de diálogo e empatia, que pode ser ainda mais eficiente para deixar o colaborador tranquilo para compartilhar suas experiências na empresa. 

Também aproveitamos o momento para despertar outra pulga atrás da sua orelha: como devemos pensar os feedbacks na Gestão de Pessoas atual? A área de Recursos Humanos está em constante mudança e nós preparamos um ebook perfeito, onde você vai conhecer uma nova forma de relacionamento para sua empresa: as conversas! 

Que tal seguir esta jornada de conhecimento e reflexão sobre como cuidar das pessoas agora e no futuro? É só clicar aqui e baixar gratuitamente. Boa leitura!

[EBOOK] Feedback ou conversas? Uma nova forma de relacionamento para a sua empresa